Life carries on.

sexta-feira, 12 de março de 2010


Queria partilhar convosco um momento muito pessoal, e nada fácil, que estou a viver actualmente. Ao fim de contas, amigos não são só para piadolas e futebol.

Hoje, por volta do meio dia, o meu cunhado, Manuel Malta, parou de livrar uma curta batalha contra o cancro, que levou a melhor. Fico com a sensação de que, sabendo como foi dura esta batalha para ele, é bom que tenha acabado, e que finalmente todos quem o conhecemos e queremos possamos começar a celebrar a sua vida em vez de sofrer pela sua condição.

Acho que nenhum de vocês o conheceu, e não vou cair no velho cliché de dizer que era uma pessoa maravilhosa, um marido extraordinário e um pai exemplar, agora que já não poderá ouvir nem saber o que de ele dizem - não o farei, porque não é verdade.

O Manuel era um gajo cheio de defeitos, com um carácter fodido e que por vezes apetecia mesmo partir-lhe a cara à chapada. Mas todos aprendemos a gostar dele como era e quase desde que tenho memória, é parte da minha família, e o continuará a ser. Foi o gajo que me ensinou a conduzir, que me passava cigarros à escondida quando os meus pais não sabiam que eu fumava, e que me emprestou o dinheiro para comprar a passagem de avião para voltar a Portugal vai fazer 7 anos em breve.

Espero que a minha irmã, a minha sobrinha e o meu sobrinho consigam lidar o melhor possível com os fantasmas que, certamente, vão andar à volta das suas cabeças no futuro próximo.

Eu, por minha parte, tratarei de exorcizar os meus o mais rápido possível e continuar com a minha vida, seja o que for que isso quer dizer.

3 comentários:

doBerçoVSC disse...

Os meus mais sinceros sentimentos. A vida tem de continuar…como? Só depende de cada um.

Grande abraço.

Market-Mouro disse...

meus sinceros sentimentos meu...I know you and your family will make it through this tough time...and you will be stronger for it.

Mouro disse...

Conheci-o. Não tão a fundo. Era ele que me registava o euromilhões todas as sextas, dois minutos e meio antes de acabar o prazo. Só contactei com a parte da personalidade dele que me pareceu sempre impecável. Não duvido que tens a força mental e a noção de perspectiva para lidar com as semanas que aí vêm de uma forma razoável. Espero que consigas transmitir uma parte disso aos teus familiares mais próximos que possam não o conseguir fazer.

Aquele abraço